Torne-se consciente do que pode fazer para impedir sua participação na continuação do sofrimento dos animais. Mais importante do que fazer é deixar de fazer algumas coisas. Como consumidor, você tem toda uma bateria de armas nas mãos com as quais pode ajudar a pôr fim à pecuária industrial. Vamos mencionar algumas.  
  1. Comendo expulse a bio-indústria do mundo
  2. Não compre a empresas indiferentes aos direitos dos animais
  3. Expulse a bio-indústria votando
  4. Proteste contra licenças concedidas a explorações da bio-indústria
  5. Escreva cartas aos editores dos jornais
  6. Apoie organizações e busque apoios
  7. Inscreva-se para ser voluntário
  8. Siga um curso de culinária vegetariana
  1  

Comendo expulse a bio-indústria do mundo

Talvez a ferramenta mais importante que você pode usar é deixar de encher os cofres das fábrica de carne e doutros produtos comprando o que elas produzem. É importante você mostrar o que um indivíduo pode fazer duma maneira atraente através de um comportamento de compras responsável ou mesmo abandonando o consumismo substituindo-o por uma cozinha saborosa e saudável sem sofrimento para os animais.

Não comer produtos de origem animal estrangeiros. Em particular, os produtos de origem animal importados, geram preocupações quanto ao bem-estar. Porque deixar um país produzir demais ou esgotar seus recursos naturais? Isso não pode coexistir com uma forma equilibrada e amigável de trabalhar com os animais. Isto aplica-se, nomeadamente, aos Países Baixos, à França e aos EUA. Escolha pelo menos os produtos ecológicos (orgânicos).

Coma por exemplo (mais frequentemente) sem carne.

Produtos da agricultura biológica são uma boa alternativa aos fabricados pela bio-indústria.

Um fenômeno estranho é que as pessoas em casa ainda assim querem comer de forma saudável e responsável, mas este princípio parece ser esquecido na escola ou no trabalho. Então, não há aparentemente nenhum momento ou oportunidade para refletir sobre a origem dos alimentos. Deixe claro que você se quer alimentar de forma responsável na cantina ou no refeitório, alimentos não fabricados pela bio-indústria, mas de origem ecológica (orgânica).

  2  

Não compre em empresas que são indiferentes aos direitos ou bem-estar dos animais.

Não abra conta em bancos que emprestam a empresas activas na bio-indústria. Não compre em supermercados que não têm produtos ecológicos à venda.

As peles de luxo infiltram-se dissimuladamente na moda. Saiba o que você está comprando.

Em sumo: Use o seu poder económico e informe as empresas hostis aos animais que você por isso não comprará os seus produtos e serviços.

  3  

Expulse a bio-indústria votando

Vote nas eleições locais, estaduais, nacionais e europeias num partido ou candidato que se manifeste contra a bio-indústria. Contacte os partidos políticos e peça-lhes os seus pontos de vista sobre a bio-indústria. Muitos deputados também são acessíveis por e-mail. Estude os programas dos partidos.

Há um partido especialmente fundado para os animais.

Quando o seu partido não tem programa favorável aos animais escolha alguém na lista, que o seja. Pergunte a si mesmo se eles têm feito o suficiente para os animais.

Os partidos políticos também devem assumir as suas responsabilidades para com os animais.

  4  

Proteste contra licenças concedidas a explorações da bio-indústria

Existem empresas de tipo bio-industrial que pretendem estabelecer-se ou expandir as suas instalações nas proximidades? Existem várias maneiras de impedi-las de obterem uma autorização. As repartições locais das organizações ambientais poderão ser-lhe úteis (muitas vezes de forma desinteressada), por exemplo, em aconselhamento jurídico. Muitas vezes, é possível fazer algo contra as empresas que já têm uma licença se você puder mostrar que efectivamente está a sofrer prejuízos.

  5  

Escreva para jornais e revistas

As secções cartas aos jornais, revistas e periódicos de associações são geralmente muito bem lidas. Envie uma carta expondo a sua opinião sobre o a bio-indústria, pode pôr muita gente a pensar. Será mais provável que sua carta será publicada, se você responder a um artigo publicado no jornal ou revista. Além disso, leia as dicas de escrita.

Várias revistas e jornais nacionais e regionais também estão disponíveis na Internet e muitas vezes dão-lhe a oportunidade de enviar a sua carta por e-mail.

  6  

Apoie organizações contra a bio-indústria

Deixe claro como você se sente sobre os direitos dos animais.

Pode ser difícil determinar o quão longe você pode ir. Se você exagerar, será contraproducente. Se você não disser nada, ninguém sabe como você se sente. Quando você come com os outros, sempre pode (com antecedência) dizer que você não come carne originada na bio-indústria. Quando você vai fazer compras, pode sempre relatar que está à procura de produtos ecológicos. Se você quiser convencer os outros da sua posição, será melhor concentrar-se nas pessoas cujos pontos de vista estão perto dos seus. Custa um monte de tempo e de energia a convencer os oponentes óbvios. Não desperdice os seus esforços. Conte brevemente e sem atacar os outros como você pensa sobre isso. Escolha os seus (contra) argumentos, dê uma olhada nas falácias.

Se você fizer os seus próprios meios de acção, use materiais self-made e/ou use ou peça emprestado de manifestantes oficiais. Não faça uso (indevido) de logotipos ou material da parte contra a qual você protestar.

  7  
Registe-se como voluntário e ajude (com) outros os animais a viverem um vida digna dum animal. Visite as organizações de voluntários com vagas e outros residentes no seu bairro que poderiam usar a sua ajuda ou registe-se a si mesmo e promova o que você quer fazer.
  8  
Dê um bom exemplo para os outros e crie um curso de culinária vegetariana. Com quem sabe cozinhar, a mudança da cozinha com carne para a cozinha vegetariana é mais fácil e mais saborosa para si e para os outros.