Para a página inicial
Falácias Quem os usa? Que, quando e como? Mito
 

Ver a versão para telemóvel para os artigos mais importantes Português-English-Nederlands-Español-Français-Deutsch

Falácias quanto ao desrespeito aos direitos dos animais

   
   

Falácias quanto ao desrespeito aos direitos dos animais

Reacção
O animal não sabe melhor   O desconhecimento ou a impossibilidade de saber exactamente o que um animal sabe ou quer não é razão para negar os direitos dos animais.

Os animais não conhecem moral ou ética

 

Isto não dá ao ser humano o direito de privar um animal do seu direito básico à liberdade; a possibilidade de se comportar moralmente torna a sua responsabilidade ainda maior.

Só os que são capazes de cumprir deveres podem ter direitos   Isto não é válido com os direitos básicos, pois estes são incondicionais
Não há práticamente nenhum país com leis relativas ao bem-estar tão avançadas como a Holanda   Correcto, e estas são aqui relativamente indispensáveis. Infelizmente estas não garantem o bem-estar dos animais, apenas evitam as piores infracções.
O respeito pelos animais custa muito dinheiro   Só custa dinheiro para quem não está disposto a procurar alternativas atempadamente

As plantas também têm sensibilidade, a crueldade é igual à de quem não come carne

 

Do ponto de vista biológico e espiritual uma planta só poderia ter sensibilidade (por exemplo sentir dores) se estas fossem relevantes no que respeita às suas actividades. Quem não come carne come menos plantas do quem a come, devido às plantas que indirectamente foram comidas pela carne que come.

As injustiças feitas aos seres humanos são mais importantes   Isto não anula os direitos dos animais
Os activistas colocam os animais acima dos seres humanos  

Que os animais sejam considerados semelhantes aos seres humanos nos seus direitos básicos não implca que a eles sejam superiores.

Os animais não têm sentimentos como os seres humanos   que os animais não tenham sentimentos (aparentemente) é irrelevante quanto a terem ou não direitos
Conceder direitos aos animais é antropomorfizar (antropomorfismo: interpretar os hábitos dos animais segundo os hábitos e sentimentos humanos)   Não existe uma diferença de princípio entre os seres humanos e os animais. Os animais têm os mesmos direitos básicos, mas não gostariam de serem tratdos como se fossem seres humanos.
Os animais são inferiores aos seres humanos  

Questões de valor e os direitos básicos não têm qualquer relação. As diferenças não são razões para a desvalorização de direitos básicos.

A função dos animais é servirem os seres humanos  

Mesmo os que servem têm direitos básicos iguais

Socorrer os animais é uma forma de compensar comportamentos anti animais no passado (por exemplo em outras vidas passadas)   Esta motivação não só é impossível de ser verificada, mas também é irrelevante.
Se o criador tratasse melhor os animais, então já haveria menos razões para se dizer que não devemos comê-los   Isto é um aproveitamento do sofrimento animal para os interesses próprios
As experiências com animais podem curar os seres humanos   As simulações feitas em computadores e o cultivo de células são mais eficazes do que experiências feitas em animais. Além disso embora as experiências possam produzir certa informação, isso não significa que não se deva procurar outros métodos.
Os animais são bons objectos para experiências porque são parecidos com os seres humanos   E em seguida tenta-se justificar o sofrimento dos animais dizendo que "os animais não são como as pessoas"
Porque aceitar os direitos dos animais? Os animais têm o fim que se decide dar-lhes.  

Esta pergunta poderia virar-se contra os seres humanos. Quem nega ao outro (humano ou animal) os seus direitos, acaba por os negar para si próprio.

A natureza saberá cuidar de si própria, na forma de doenças que atacarão os seres humanos.  

Assim fogem os seres humanos das suas responsabilidades, introduzindo a natureza como um ser superior (comparável a Deus).

Os animais são tão diferentes que os seus direitos não podem ser colocados nos mesmos moldes   A liberdade é um direito que não conhece discriminações
Agumas aves de capoeira sentem-se melhor dentro duma gaiola que fora dela  

As aves criadas em cativeiro foram feitas dependentes e foram vítimas de danos de ordem dupla: Nunca aprenderam a viver em liberdade e não têm a possibilidade de viver em liberdade no nosso país.

Os animais que vivem em cativeiro são de facto mais livres do que na natureza, porque deixaram de ter inimigos naturais   A possibilidade de serem vítimas de predadores naturais faz parte da sua vida natural; é o reverso do direito básico à liberdade e desta forma está indissoluvelmente a ela ligada.
     

Este artigo é parte de uma série sobre falácias e demagogia

Há argumentos inválidos no que diz respeito aos seguintes grupos e assuntos.
carnívoros
vegetarianos
defesa da bio-indústria
ignorando os direitos dos animais
a defesa dos direitos dos animais
a caça desportiva
experiências feitas em animais
pesca desportiva
circo
touradas
caça às focas
animais de estimação
 

 

 

Alguns argumentos são usados frequentemente, mas são inválidos. O uso destes argumentos - chamados falaciosos - É feito tanto pelos que são a favor como pelos que são contra. Colocamos estes argumentos numa coluna (à esquerda) e apresentamos (à direita) o contra-argumento. Para que a discussão seja clara e honesta.

Clique aqui para ler umas dicas sobre como influenciar comportamentos que maltratam os animais.

vários tipos de argumentos falaciosos.

Falácias são deliberadamente ou acidentalmente usado em um debate. Então, estar ciente dos princípios e da integridade de um adversário. Clique aqui para obter dicas sobre a influência do comportamento animal hostil dos outros.

 
autor Bert Stoop
 
Nos apoiar com uma doação?
 
Versión para teléfonos móviles con los artículos en español más importantes de este sitio web
 

Leer más artículos o publicidad?