Os animais selvagens são protegidos pela atual lei da caça, a Lei da Flora e Fauna e a Lei das Pescas. Quanto a estas leis não importa quantos animais morrem na caça, desde que a espécie, não se extinga. Como esses animais estão livres, o seu bem-estar não precisa de ser garantido jurídicamente. No máximo são formuladas regras contra métodos de caça ilegais para combater a caça furtiva e a caça indevida.

Além de animais "selvagens" existem animais que não têm vida livre; animais domesticados ou mantidos como gado. Para este grupo, temos uma lei que visa proteger o bem-estar individual do animal. Que os animais são protegidos, não significa que na nossa sociedade eles têm direitos . Os animais são propriedade legal: bens móveis que podem mudar de propriedade, podem ser alugados e que podem ser caçados ou abatidos.

 

O animal não é como o homem, uma pessoa jurídica: não pode na nossa lei ser portador de direitos e obrigações. Na lei do bem-estar é na nossa visão ignorada uma questão essencial e que é fundamental e deveria ser natural para todos os seres, ou seja, o direito à liberdade.

No entanto, na pecuária mantem-se uma série de regras que se assemelham a este direito: os cinco direitos dos animais na pecuária.

O homem mede os animais com duas medidas: para os animais na natureza existem leis diferentes das dos animais na pecuária. Além disso as pessoas vivem sem leis e compromissos assumidos no manuseio comum de animais, apenas formas extremas de maus-tratos são proibidas.