Filósofos dizem que a "liberdade é". Isso é um atalho demasiado curto. O conceito de liberdade é muito abstrato e para o compreender o melhor seria comparar a liberdade com um "buraco" na parede ou com um espaço. Um buraco não é nada, mas é determinado pelo que está à sua volta. Na verdade, se não houvesse nada em torno do buraco, o buraco não existiria. Um buraco é determinado por aquilo que não é.
Algo semelhante se aplica à liberdade.
Neste artigo a liberdade é tratada como um paradoxo e ligada de forma lúdica a outros conceitos. Nota: a liberdade não é necessariamente um paradoxo, mas tomá-la como tal gera "insights" surpreendentes.
Um paradoxo é um conceito difícil. É uma declaração que contém uma contradição aparente. Não é possivel resolve-la ao nível em que é feita, e é apenas solúvel num nível superior de comunicação (meta)lógica . Um paradoxo bem conhecido é: "Seja espontâneo". Se você seguir esta recomendação, o seu comportamento já não pode ser considerado espontâneo. Se você decidir espontaneamente não fazer nada, tambem não é espontâneo. Neste caso, não importa o que você faz, você faz sempre ou errado ou certo. Se está realmente certo ou errado, não é possivel definir.

Existem muitas expressões com um caráter paradoxal, e aceitá-las e as respectivas (im)possibilidades gera novas liberdades. Compare-se com escolhas a fazer. Fazer uma escolha reduz as possibilidades, mas gera também novas oportunidades e novas liberdades.

 

Laotse (sobre o vazio)

Trinta raios em torno de um centro localizados, fazem a roda, mas o vazio da roda determina a sua utilidade.
A argila é amassada para formar uma tigela, mas é o vazio da tijela que determina a sua utilidade.
Portas e janelas são cortadas numa sala e é a sua vacuidade que determina a sua utilidade.
Aproveite o que é assim, mas veja a utilidade daquilo que não é.

No caso da liberdade como um paradoxo, a contradição é que a liberdade não pode existir sem o oposto: a falta de liberdade. Esta falta pode ser:

  • Que você é forçado a fazer escolhas, caso contrário, você não pode avançar
  • Você tem que limitar os outros, caso contrário, irão afectar a sua liberdade
  • Que o que é liberdade, às vezes só se explica pelo que ela não é

Felizmente, todos estão "amarrados" a esta falta de liberdade. Isso por si gera novamente liberdade individual. A associação com a falta de liberdade também significa que qualquer um pode ter uma atitude dualista quanto à liberdade. Quem tem dificuldade em assumir responsabilidades pode optar por uma vida sem liberdade, com menos responsabilidade.

     

Alguns exemplos:
"A vida não tem sentido". Esta conclusão pode deprimi-lo, você também pode vê-la como base para um efeito muito positivo: Você pode dar à sua vida um qualquer significado que você quiser, é a sua própria escolha, é a sua responsabilidade. Você pode talvez cometer erros, mas o único que você pode culpar é a si mesmo. Você pode dar sentido à sua vida através da criação de quem você é e experimenta-lo.

Falta de sentido como possibilidade de criar o sentido.

A explicação positiva oferece igualdade: ninguém é favorecido na vida, porque ele ou ela possui uma caracteristica que à luz de um certo sentido de vida é mais ou menos valiosa. Esta(equivalência) é válida entre as pessoas (masculino versus feminino, branco versus negro, rico versus pobre, doentes versus saudáveis, jovens versus velhos, etc), mas também para os seres humanos e os animais. A vida de um homem não é objetivamente mais valiosa ou significativa (do que um outro ser humano ou um animal).

 

"A morte faz a vida valer a pena."

Imagine que você (assim como a sua alma), seria imortal, que, seja o que faça, não podia morrer. Isso daria muitas possibilidades, que todos nós gostaríamos de tentar por algum tempo. Mas se fosse preso ou ficásse doente, essa prisão ou doença iria durar para sempre, isso é uma perspectiva muito pouco atraente. O fato de uma vida chegar ao fim, pelo menos uma liberação por passar para uma forma diferente, é o que torna a vida suportável para muitos. Garante que fazemos o nosso melhor para tornar nossa vida significativa e que agimos com prudência. Esperemos que assim todos tentamos, para que tambem todos possamos beneficiar.
A liberdade não tem valor, mas é um valor. Com esta liberdade fazer coisas significativas, torna a vida (infinitamente) útil.

     

"Se Deus existe ou não" é uma questão de fé. A a sua existência não se pode provar. Se fossemos capazes de a provar, perderiamos de imediato uma grande liberdade na vida. Há crentes que pensam que a liberdade é um dom de Deus e esta é que dá o sentido à vida.

Cada pessoa pode escolher a fé em que ele ou ela acredita. Não é uma estupidez quando você não acredita na existência de Deus.

 

Kierkegaard: Deus revela-se apenas ao homem na medida que este se quer conhecer, permite-lhe proteção suficiente de todos os espertinhos.

"Para ser rico, você não deve possuir". "Quem é inteligente reconhece que não sabe". "sem dificuldade não há vitória" "Quem que não tem nada a perder é muito rico."

     

Quanto mais acumulamos na vida, quanto mais temos a perder. Este não é um argumento para a pobreza, mas se você realmente não precisa e não o fazem feliz, então qual o porquê das coisas, status, dinheiro etc. à sua volta? Já a Bíblia diz que: "és pó e em pó te tornarás" e (embora concebida como uma paródia) diz Monty Python em "A Vida de Brian": Você veio do nada e você acaba em nada, o que você perdeu? Nada!
Naturalmente que coletamos coisas durante a nossa vida para fazer a nossa vida seja o mais confortável possível, mas o que possuimos não nos deveria encher de preocupações com o amanhã. Não deveria minar a nossa liberdade.

Neste sentido, nós poderiamos continuar com muitos outros paradoxos, mas voltamos ao relacionamento com os animais.
Liberdade também se estende aos animais e à natureza. Na sua cultura, as pessoas tentam superar a natureza (para se libertarem dos limites da natureza), mas a liberdade natural continua a atraí-las.
Os animais não se preocupam com paradoxos, sobre a questão de saber se a vida tem sentido, ou se Deus existe, e somente colectam matéria em forma de alimentos ou de materiais de nidificação para sobreviverem (como espécie).
Muitas pessoas negam direitos aos animais porque pensam que o homem é superior aos animais. Por si só, uma posição mais alta não é argumento para negar aos outros os seus direitos. Talvez os animais tenham até mesmo propriedades que as pessoas consideram invejáveis: a naturalidade, a fidelidade, o à-vontade. Um animal não mente, não é arrogante.

A liberdade existe na natureza, enquanto os animais estão aptos a fugirem aos seus predadores. Esta condição mantém o rigor na natureza e é juntamente com as mutações de genes o motor da evolução: os mais aptos e os mais adaptáveis às mudanças no ambiente sobrevivem e multiplicam-se. Os animais que são demasiado lentos ou doentes, não têm muito que sofrer, morrem brevemente e servem de alimento aos outros animais.

Quando o desenvolvimento natural não é perturbado este revela às pessoas uma certa beleza, e a natureza é uma fonte de experiência espiritual. Especialmente na criação intocada sentem pessoas a mão de um ser superior. Importante é daqui e do anteriormente escrito constatar que na criação a liberdade está tão central.

Muitos conceitos como liberdade, qualidade e amor não são claramente definidos. Deus também é referido de forma negativa na literatura e na teologia como "não-nascido, eterno, imutável, imóvel, não manifesto, imensurável, invisível, intangível e infinito." Isso faz com que seja etério, mas também viável. Definir Deus e o seu conceito de forma demasiado concreta é "destrui-lo". Não é por acaso que a regra mais básica do campo dos valores está redigida: "O que você não quer que façam a si não o deve fazer ao outro." Ao descrever o que não se deve fazer, haverá espaço para o que é permitido.
Assim é tambem com o bem-estar dos animais. Definir na lei e proibir o que ameaça o bem-estar animal indica como cuidar de um animal deixando a responsabilidade onde ela deve estar: no criador de animais e na pessoa que mantém um animal de estimação.

A liberdade é difícilmente compatível com as obrigações. Mas o dever de respeitar a liberdade dos outros não é uma contradição, mas sim uma característica paradoxal mas útil de liberdade. Nós não vemos nenhuma razão para excluir os animais do direito à liberdade e das suas consequências . O homem está ameaçando estruturalmente o habitat dos animais na Terra. Assim se comprometeu a garantir a liberdade dos animais.