Temas

Os porcos e porcas
As vacas leiteiras
Galinhas poedeiras e pintos para engordar
Os perus
As martas
Os coelhos
O transporte internacional de animais
A indústria pesqueira
 

Nesta página os abusos são categorizados por animal. 

O que pode fazer contra a pecuária industrial.

   
Clique na imagem para a ampliação  

Os porcos e porcas

Os porcos têm que ser mantidos no escuro cerca de 24 horas para estarem calmos.  A partir de 2002 os produtores de porcos serão obrigados a manter os porcos em pavimentos pelo menos por dois terços contínuos.  Um terço do pavimento é uma grade, para deixar o estrume esvaziar-se.  Por esta razão os porcos estão no cheiro da amoníaco o dia inteiro.  O pavimento gradeado  faz que sofram de feridas nas patas.  Como vivem quase permanente em meia ou completa escuridão  (para os manter calmos) e em jaulas muito pequenas, não estão habituados a nada e apavoram-se quando têm que ser transportados ao matadouro ou para a engorda num país distante (geralmente após 3 a 6 meses).  As piores situações são durante os transportes de longa distância. 

Sómente nos Países Baixos, cada dia aproximadamente 10,000 porcos e leitões são transportados ao matadouro ou para serem engordados num país distante.  Os porcos são maus viajantes. São muito sensíveis ao stress e adoecem muito fàcilmente durante a viagem.

Quando têm crias, as porcas estão entaladas entre duas barras, de modo a que não se possam voltar e cuidar dos leitões, mas apenas alimenta- los.  Isto é feito para impedir que a porca esmague os leitões, devido à falta do espaço.  Os leitões são levados à secção de desmamamento após um período de 3 a 4 semanas (em vez das 14 semanas naturais).  Na idade de aproximadamente 72 dias vão à quinta da engorda, onde 14 deles são postos num chiqueiro de 10m², geralmente num pavimento de grades sem palha.

 

 

Os machos são castrados sem anestesia, para satisfazer o mercado estrangeiro, por causa da alegada influência  das hormonas masculinas no cheiro da carne.  Este não é realmente o caso com porcos que são abatidos numa idade tão nova.
Os porcos sofrem de stress severo (sintomas por exemplo do coração e do estômago) por causa das restrições à sua liberdade de movimento.  Devido à frustração mastigam frequentemente nas redes da sua jaula.  Por sua natureza, os porcos são animais que gostam muito de brincar e são muito inteligentes.

Leia mais sobre os problemas do bem-estar dos porcos no local de CIWF (Compaixão no Mundo Pecuário). 
No princípio do ano 2000, uma investigação do DAE (Serviço Holandês de Inspecções) (o serviço holandês que verifica o cumprimento da lei quanto aos animais na Holanda) mostrou que mais de 50% dos criadores de porcos violava até mesmo os regulamentos mínimos do bem- estar dos porcos e faz deliberadamente os animais sofrer.  Mais frequentemente do que não, os porcos são mantidos em cubículos muito apertados, em chiqueiros sombrios e escuros, com uma falta do material de distração. 

Mantendo os animais em gaiolas menores, os criadores de porcos podem evitar terem de comprar direitos de amoníaco.

   
Clique na imagem para a ampliação  

As vacas leiteiras

As vacas leiteiras, em média, não vivem mais de quatro anos e meio.  
Em circunstâncias normais podem viver uns trinta anos, mas o seu nível de produção diminui a partir da idade de aproximadamente seis anos.  Durante as suas vidas têm uma cria cada ano, porque esta é a única maneira de provocar a produção de leite. 
A cria é removida imediatamente ou após uma semana no máximo, para impedir a formação duma ligação afectiva entre a mãe e a cria.  São mantidas em cabinas.  Estas são estruturas brancas, abobadadas, de tipo de igloo - como as  que alguns fazendeiros usam como "berçários ao ar livre".  A cabina mantem as crias isoladas umas das outras.  Nas suas primeiras oito semanas as crias têm uma tendência forte para sugar. 
Como não podem beber o leite das suas mães sugariam nos corpos das outras crias. 
10% das vacas têm que permanecer no estábulo a vida inteira, para obter um nível mais elevado da produção.  Se os fazendeiros não forem obrigados legalmente a levar os animais ao prado uma parte do ano, pelo ano 2015 (como esperado), 75% de todas as vacas nos Países Baixos serão sempre mantidas dentro de portas.

 

As vitelas

As crias cujo único destino é nascer para provocar a lactação das suas mães e que são escolhidas para a produção da carne, na sua maior parte alcançarão apenas a idade de 6 meses.  Alguns machos são reservado para viver mais tempo, porque alcançam o seu peso ideal para serem abatidos numa idade mais avançada (cerca de um ano e meio). 
Em alguns países (p. ex. França, Alemanha, Bélgica) as crias são exportados com a idade de aproximadamente 2 semanas para serem criadas em quintas especializadas (p. ex. nos Países Baixos). 
Algumas crias são colocadas em cabinas, caixas separadas ou as gaiolas toda a sua curta vida, algumas são mantidas até mais tarde em caixas pequenas.  As gaiolas são pouco maiores do que a própria vitela .  Após duas semanas a vitela já não se pode voltar na caixa pequena.  Desta maneira, os músculos da vitela não têm a possibilidade de se desenvolverem e a sua carne permanece macia.  Durante este cativeiro, a vitela não consume nenhum alimento verde, mas é alimentada com substitutos de leite com muita gordura e com gradualmente menos ferro e fibras, para manter a carne sem sangue (branca). 

Os animais frequentemente mastigam as grades das suas gaiolas e lambem nos pregos ou na sua própria pele, tentando assim obter algum ferro. 
Imediatamente antes de serem abatidas, sofrem de anemia severa, têm diarreia crónica e são assim tão pouco saudáveis, que este tratamento faria que morressem eventualmente mesmo se não fossem abatidas.  As gaiolas deverão ser proibidas em 2004 na Europa.

   
 

Galinhas poedeiras e pintos para engordar

Quando os pintos saem dos seus ovos na incubadora, são transportados para uma quinta de poedeiras ou de engorda, dependendo isto da sua raça e sexo.  Os pintos machos são 'inúteis' e são matados com dióxido de carbono num saco de plástico ou despedaçados. 

É para evitar isso que os seus bicos são queimados (sem anestesia).  As galinhas não têm um poleiro para dormirem e são forçadas a um ritmo disrompido de dia e noite, para as forçar a porem tantos ovos como possíveis. 

Piores ainda são as condições dos gansos e patos para a engorda:  alimentação forçada para "foie-gras" (rm-vídeo).

 

As galinhas poedeiras vivem aproximadamente um ano, puseram entretanto uns 300 ovos e a única finalidade que lhes resta  é servir para sopa da galinha.  Veja também os fragmentos curtos de video. 
Os pintos para a engorda vivem aproximadamente 6 semanas, e são então abatidos.  Neste curto período crescem de forma extremamente rápida de pintainho a galinha semi-crescida por meio de alimento especial.  Se vivessem  por mais tempo nestas circunstâncias, acabariam pesando demasiado e desta forma  morreriam Quando têm que ser transportados ao matadouro são pressionadas violentamente em grades, com uma grande possibilidade  de fracturas das asas e das patas. Nestas circunstâncias cheias de stress são transportadas em camiões semi-abertos até ao matadouro.  Para impedir que as galinhas tenham mais fracturas e que sangrem, muitos matadouros de aves domésticas usam uma tensão elétrica mais baixa para atordoar os frangos do que a que é legalmente obrigatória.  A carne destes frangos é vendida como carne de galinha, o que constitui um engano e crueldade. 

  A recolha das galinhas engordadas para a matança
 
 

Os perus

Na criação comercial dos perus, os animais são mantidos aos milhares num espaço pequeno e escuro.  Isto conduz frequentemente a agressões, problemas nas patas, stress, bicar de penas e a canibalismo.  Por causa da maneira intensiva de criação, não é incomum que na primeira semana de suas vidas, 40% dos perus morram!  O fim desta actividade é engordar tão rapidamente os perus como possível.  A política de produção está focada na velocidade rápida de crescimento.  Uma consequência radical desta selecção é o facto de ser impossível para estes animais copularem duma forma natural.  Os perus são demasiado pesados.  As peruas só podem ser fertilizadas por inseminação artificial.

 

As Martas

Na Primavera os animais novos nascem nas gaiolas.  Após sete meses (quando os animais têm a sua pelagem de inverno) são mortas e esfoladas.  Durante as suas curtas vidas, os animais vivem em gaiolas que são demasiado pequenas.  Não podem correr, esconderem-se ou fugir.  Não têm nenhuma água para nadarem ou para pescarem.  Têm somente um bebedouro na sua gaiola.  As martas são predadores selvagens, e têm as mesmas tendências que as suas congéneres que vivem no estado natural. 
Não é nenhuma surpresa que este tédio e frustração as enlouqueça.  Isto é demonstrado pelo comportamento  anormal que as martas desenvolvem.  Este comportamento consiste na repetição contínua de movimentos inúteis (pode ser comparado com o dos predadores que vivem em  maus jardins zoológicos, dão voltas continuamente para a frente e para trás).  Além disso, as martas mordem frequentemente na sua própria cauda ou pele.  Andam frequentemente em circulos ou giram constantemente com as suas cabeças em torno da torneira do bebedouro.

 
 

Os coelhos

Os coelhos não são nada mais que materiais descartáveis.  Quando uma coelha já não pode ter sete criações por ano é posta de parte.  A percentagem da substituição é de cerca de 90%!  Além disso, anualmente aproximadamente 55% deles morrem por doenças.  Isto significa que há uma percentagem da substituição da coelha de 145%!  Há também uma taxa de morte elevada entre coelhos novos;  aproximadamente 15% das crias morrem antes serem afastados das suas mães.  Após isso, aproximadamente 10% delas morre.  Estas são figuras horríveis, causadas na maior parte pelo péssimo alojamento dos animais na criação intensiva do coelho. 

 

O transporte internacional de animais

Na nossa página de video são expostos todos os abusos durante os transportes internacionais, que duram dias.  Animais como os carneiros são transportados da Inglaterra para p. ex. a Grécia, onde são abatidos sem anestesia.  Os cavalos e os burros da Lituânia são abatidos na Itália.  Os porcos da Holanda são transportados também para países estrangeiros, p. ex. à Itália do Norte para lá serem abatidos - este único facto  fazendo que assim a sua carne retorne ao mercado holandês com a qualificação culinária de "Presunto de Parma".

Para impedir que vomitem nos camiões, os animais frequentemente não recebem nenhum alimento no dia antes ao qual são postos em transporte. 
Os animais são forçados dos estábulos escuros ao camião, duma maneira muito rude.  Mesmo antes do princípio da viagem os animais já estão muito perturbados.  Na maior parte dos países  do Sul da Europa, os animais são abatidos sem anestesia ou sendo esta insuficiente.  Mas também nos matadouros na Holanda muitas galinhas sofrem esse destino. 

Também a matança ritual pelos Muçulmanos é feita frequentemente sem anestesia, o que faz que os animais sofram. 

   
 
     

A indústria pesqueira

Os golfinhos ficam presos frequentemente nas redes que têm um comprimento de algumas milhas, e não conseguem escapar à morte por afogamento lento.

Os mares são quase esvaziados e o que resta completamente perturbado .  Neste momento a quantidade total dos peixes na Terra é 50% do que costumava ser há algumas décadas.  O peixe  não é somente pescado;  é produzido também.  Alguns peixes, como os salmões, são criados em tanques flutuantes muito grandes;  esta maneira de produzir parece exactamente igual à criação em fábricas com todas suas desvantagens. 

 

 

Quando os pescadores usam redes de arrasto, não são sómente os peixes desejaveis que são pescados.  Mais do que 70% do pescado é atirado ao mar, porque os peixes são demasiado pequenos para a venda legal , ou porque a quota permitida foi alcançada, ou apenas porque o peixe não é interessante, comercialmente falando. 

Os peixes que são devolvidos ao mar já foram mortos frequentemente por esmagamento, sufocados, ou morreram doutra maneira.  Quem não está ainda chocado com o sofrimento dos peixes durante a pesca, pode referir-se à pesca adicional por exemplo de mamíferos como os golfinhos, que são pescados frequentemente na rede do atum.  As redes de arrastão destroem o fundo do mar, com a  consequência que o sistema ecológico fica completamente desiquilibrado, e perdido por muito tempo.