Além dos problemas fisiológicos introduzidos pelos criadores, há ainda outras consequências nocivas ao bem-estar do cäo. O homem coloca todas as espécies de exigências ao comportamento do cäo, devido às quais näo lhe é possível exprimir do seu comportamento natural. Quanto a estes aspectos há a contar com

  • a alimentaçäo
  • as saídas em passeio
  • o exercício físico
  • a atençäo
  • o comportamento social
  • o comportamento sexual

Alimentação
é o dono que decide quando, quais, e quantas vezes, o cäo recebe os seus alimentos.

Saídas a passear

O dono decide onde, quantas vezes e quanto tempo o animal pode sair. Só pode sair quando isso convier ao dono. Muitas vezes o animal é levado preso pela trela, o que o limita muito nos seus movimentos.

Movimento
Acontece muitas vezes que o cäo näo tem em casa um espaço adequado para se movimentar.
Por toda a parte estäo móveis e obstáculos, e os quartos já säo por si demasiado pequenos. Um cäo é um animal que por sua natureza precisa muito de espaço para poder correr e brincar.

Atenção
O cäo só recebe atençäo quando isso convém ao dono. é verdade que existe uma interacçäo entre o cäo e o seu dono, mas se o dono näo estiver interessado, o cäo é ignorado.

Comportamento social

O cäo é um animal social. Está habituado a ocupar uma posiçäo num grupo. Quando o cäo é colocado a viver numa casa duma família, a intençäo é faze-lo automáticamente ocupar a posiçäo mais baixa.
Nem todos os cäes aceitam esta posiçäo naturalmente, o que dá por vezes (sobretudo com crianças) origem a conflitos graves. O cäo é de origem um animal que vive em matilhas, num grupo formado por elementos da sua espécie, O contacto que tem com outros cäes é muito limitado, até porque geralmente é o único cäo em casa.
Como näo vive em grupo, näo tem a possibilidade de se comportar da sua forma natural, comportamento que seria contrário ao que dele é exigido pelo dono, e em funçäo do qual tem de ser condicionado. O comportamento que dele é exigido é antinatural.

Além destas desvantagens para os cäes há, como é evidente, também desvantagens para os seres humanos.

Conteúdo
Mantendo animais de estimaçäo
Um exemplo: O cäo
A História do cäo
O cäo actual
Consequências dos exageros dos criadores de "raças"
Prejuízos para o cäo
O animal doméstico
As consequências para a animal, e a indústria relacionada
Quem possui animais
Porque se quer ter um animal de estimaçäo?
As desvantagens para o possuidor
Conclusões
Animais domésticos?

Comportamento sexual
A repressäo do comportamento sexual é uma parte da educaçäo do cäo, porque este instinto natural implica actividades que säo consideradas indesejáveis, como por exemplo o roçar-se contra o corpo das pessoas, expressões de excitaçäo e o perseguir doutros cäes.

A castraçäo e a esterilizaçäo säo comuns, para evitar que inesperadamente
apareçam crias. Uma outra razäo é para reprimir a excitaçäo sexual, que
geralmente é considerada indesejável e causa de embaraços.

Existe, é claro uma relaçäo interactiva entre o cäo e o homem, mas trata-se sobretudo duma direcçäo única, o homem possui o animal, e é ele que dirige e decide. Embora muita gente tenha as melhores intenções quanto ao seu cäo, näo deixa de ser o homem que por fim obriga o cäo a aceitar a sua vontade. O cäo é obrigado a sofrer restrições em quase todos os seus comportamentos e necessidades, e é obrigado a sujeitar-se às "necessidades" humanas.

No seu habitat natural o cäo é também disciplinado pela sua posiçäo na hierarquia do grupo. Mas vivendo com o homem a sua sujeiçäo é extrema.
Um cäo vivendo na natureza nem sempre ocupa a posiçäo ínfima a queé sujeitado entre os seres humanos. Näo vivem por exemplo atrelados, que lhes restringe os movimentos, podem sempre fazer as suas necessidades, e têm muito mais interacções com membros da sua espécie.